sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Fim de Guantánamo

Os holofotes do mundo inteiro voltaram-se para Barak Obama e sua família nesta semana, o "primeiro presidente negro dos Estados Unidos". Não faltam espectativas e especulaçãos ao redor de Obama. Como já disse aqui mesmo em outra oportunidade, embora ele, por si só, represente uma mudança nos paradigmas políticos norte-americanos, não sabemos o que virá pela frente. Afinal, ele é o presidente da maior potência econômica mundial e é nessa condição que ele terá que governar, enfrentando, inclusive, questões relacionadas ao terrorismo e às guerras, como a que hoje ocorre na Faixa de Gaza. No entanto, uma de suas primeiras medidas, após a posse, foi anunciar o fim da prisão de Guantánamo, em Cuba. A notícia foi para mim uma agradável surpresa. A prisão norte-americana em Cuba é um dos maiores atentados ao Estado de Direito que já se tem notícias no Ocidente. Ali estão pessoas que sequer foram indiciadas por crimes. Eles são apenas musulmanos "suspeitos" de terrorismo. Guantánamo foi construída por Bush logo após os atentados terroristas de 11 de setembro, com a finalidade de higienizar os Estados Unidos, diante de possíveis novos atentados. Xenofobia pura. A prisão está localizada em Cuba, mas é território norte-americano. Como? Não sei... Pergunte ao Bush. O que sei é que, além dessa estranha condição política da própria prisão, os métodos ali utilizados não são muito diferentes das práticas do holocausto: tortura, maus-tratos, humilhações. Não quero criar grandes espectativas com relação a Obama, mas penso que a decisão de acabar com Guantánamo merece ser aplaudida de pé.

5 comentários:

Basile disse...

Parabéns, Elaine!

Uma excelente abordagem de um tema tão importante. Enquanto outros apenas estão preocupados com a "crise" econômica, é bom saber há alguém preocupado com questões mais importantes. Grande abraço!

Mário disse...

Hoje, infelizmente, em relação aos EUA, há essa tendência de abuso das palavras. Comparar Guantánamo (que está com os americanos há mais de um século, não é coisa do Bush) ao Holocausto é algo inconcebível. A prisão é produto da "xenofobia pura" dos americanos? Todos ali são inocentes, presos apenas por serem muçulmanos? Simplesmente não compreendo essa mania de malhar as democracias ocidentais enquanto a tirania e o terror imperam nos países islâmicos. Mais uma observação: a eleição de Obama não é uma mudança dos paradigmas políticos americanos, ao contrário, é a ratificação da (tão criticada) democracia americana, ou seja do seu paradigma político. Creio que a blogueira foi infeliz ao comparar a prisão em Cuba ao Holocausto, talvez influenciada pelo discurso vigente em muitas das nossas universidades e em vários veículos da mídia, contaminados pelo antiamericanismo e pelo esquerdismo. Sobre o verdadeiro significado de "holocausto", "gulag" e "privar as pessoas de seus direitos fundamentais", o link abaixo remete a um documentário cujas imagens chocantes revelam a verdadeira acepção dos termos. Se possível, (estou certo de que não é) aponte as semelhanças com Guantánamo ou mesmo com Abu Ghraib, onde os abusos cometidos foram denunciados justamente por conta do "pardigma político" dos EUA ser a democracia e o estado de direito. Não custa lembrar também que os autores dos atentados em Londres eram em sua maioria exilados políticos de países islâmicos. Os ingleses receberam de braços abertos àqueles que só esperavam uma coisa dos governantes de sua terra natal, o fio da cimitarra. Qual foi a paga por tal gesto acolhedor? Como agradeceram aos ingleses? Explodindo seus ônibus. Esta tendência de SÓ criticar as democracias ocidentais (como bem salientou recentemente a jornalista Pilar Rahla), acaba por banalizar certos termos, estendendo seus significados a situações às quais os mesmos não se adequam de forma alguma. Em relação às tragédias humanas e atentados à dignidade humana na China, Rússia, Colômbia, Sudão, Indonésia, Cuba e tantos outros, a mídia e nossos "intelectuais" silenciam ou procuram relativizar. Segue o link:

http://www.endireitar.org/site/socialismo-comunismo/252-the-soviet-story-a-historia-sovietica-pt-br

Obrigado!

Thales Leão disse...

Sabia que vc iria abordar esse tema aqui, chega vim correndo ler! :) Parabéns mais uma vez pela excelente reflexão! Abraço!

Elaine Pimentel disse...

Obrigada, Basile! Guantánamo e as outras prisões norte-americanas no Oriente é um problema de todos nós. Parabéns pelo seu blog! Um abraço!

Elaine Pimentel disse...

É isso aí, Thales. Não podemos silenciar diante dessas coisas. Abraços!